Minha bolsa rompeu…e agora?

Muitas dúvidas existem quando falamos no rompimento da bolsa das águas, a membrana que envolve o bebê dentro do útero. Em termos estatísticos, em aproximadamente 85% dos casos, a bolsa rompe espontaneamente durante o trabalho de parto; em cerca de 15%, a ruptura da bolsa acontece antes do início do trabalho de parto, ou seja, quando a mulher ainda não está sentindo nada; e raramente o bebê nasce “empelicado”, dentro da bolsa (1%).

Sobre as cesarianas agendadas

Você sabia que a única forma de ter certeza de que o bebê está pronto para nascer é aguardar o início do trabalho de parto? Você conhece os riscos de agendar uma cesárea para tirar o bebê do útero antes que ele dê um sinal?

Posições verticais são ideais para parir

Você já ouviu falar que as posições verticais – como a de cócoras, na banqueta de parto ou mesmo em pé – são ideais para parir? A gravidade auxilia a descida do bebê e as articulações pélvicas estão livres para se expandir e ajustar à cabeça do feto.

O clampeamento tardio do cordão umbilical

Você sabia que o corte (clampeamento) tardio do cordão umbilical propicia melhor estabilidade cardiorrespiratória ao recém-nascido? Os bebês fazem uma transição melhor para a respiração no mundo externo quando se espera o cordão parar de pulsar antes de cortá-lo.

A doula no parto

Você sabe o que é e o que faz uma doula? Doula, termo de origem grega que significa “mulher que serve”, é uma profissional treinada para fornecer suporte físico, emocional e informativo à mulher que deseja ter um parto natural. Ela não é técnica (isso cabe ao médico obstetra e/ou à enfermeira obstetra ou obstetriz) e seu foco é o bem-estar da parturiente.